segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

A LUTA DE UM POVO

CAÇADORES DE CABEÇA NA CAPITAL FEDERAL DISCUTEM SAÚDE E MELHOR ASSISTENCIA
Jacareacanga – Sob a liderança de Emiliano Kirixi  uma delegação de indígenas Munduruku, deverá embarcar para a Capital Federal no próximo dia 25 para serem recebidos em audiência pela presidência da Funai que é o Organismo indigenista Federal que gerencia a politica indigenista brasileira.

O encontro dos indígenas em Brasília não se limitará  em discutir  a funcionalidade da Funai de Itaituba, e sim tambem discutir a saúde indígena junto aos setores competentes, já que a promoção de saúde atual emperra em dificuldades que vão desde a falta de medicamentos básicos  até a falta de pagamento salarial aos técnicos de saúde deixando a população indígena desguarnecida de uma promoção de saúde eficiente.
Junto à Funai, a delegação que representa quase 10 mil indígenas discutirá a funcionalidade do Órgão Indigenista em Itaituba, que não está satisfazendo os anseios coletivos dos indígenas, vez que nenhuma ação governamental está sendo aplicada nos territórios indígenas Sai Cinza e Munduruku; e que reclamam os Munduruku, parte dos Kayabi, e remanescentes Apiaká. Alegam os indígenas que as duas Terras encontram-se impactadas com a presença de invasores garimpeiros que no afã de faiscarem ouro enganam os indígenas, e disseminam a bebida alcoólica e até entorpecentes; além de estarem ausentes por deficiência da Funai de Itaituba de grandes discussões sobre os gigantescos empreendimentos energéticos  lançados em área de influencia da Terra Indígena Munduruku e em seu próprio interior e portanto os indígenas demonstram contrariedade com tais empreendimentos já que a Funai coloca-se ausente do assessoramento devido para mostrar aos índios formas de compensações com a implantação dos projetos.
Os indígenas esperam uma definição da nomeação do Administrador da Funai em Itaituba já que o Órgão interinamente encontra-se gerenciado por um servidor substituto desde a exoneração do indígena Ademir Kabá. Enquanto os indígenas fazem esforço para indicar um nome experimentado no trabalho  fora dos quadros da Funai, o Organismo Indigenista Federal apostando na valorização de seus funcionários estatutários recomenda e se apega em indicar uma pessoa  de seu quadro permanente.
Essa pendenga que deverá ser resolvida no encontro, deverá trazer à lume solução para o completo abandono que sofrem hoje os povos indígenas  do alto Tapajós. As Terras invadidas por garimpeiros  com  beneplácito de algumas lideranças e até políticos indígenas deve merecer atenção das autoridades sob pena das invasões se multiplicarem.
Um dos cursos d’água  mais importantes do interior da Terra Munduruku, Rio Kabitutu,  e que deságua em frente a cidade de Jacareacanga encontra-se ocupado por “balseiros” que já se sentem familiarizados com os aglomerados indígenas ao ponto de transitarem comodamente como parte integrante da comunidade.
Além da faiscação e garimpagem ser utilizada no leito do Rio Kabitutu outra modalidade de garimpagem utilizada  nos centros (Fora dágua) acontece com entradas de garimpeiros pelo Rio das Tropas e próprio Kabitutu é a garimpagem de poços e moinhos, onde pedras  são derrocadas das profundezas dos poços até com artefatos de fogos  quando há necessidade de implosões para reduzir de tamanho com o fito de moer. Quando os poços são abandonados  por não contemplarem o desejo de uma produção que compense o esforço econômico desprendido ou que tenha se exaurido o jazimento a abertura do poço e os rejeitos ficam a expostos a céu aberto para sempre.
Será um desafio imensurável para a Funai de Itaituba, prevenir maior dano cultural e ambiental e desintrusar as Terras indígenas que se encontram impactadas por garimpeiros  e por uma deficiente assistencia indigenista e em saúde.
A real situação atual coloca em exposição vexatória o nome da Fundação Nacional do Índio, já que sua representação em Itaituba, pouco ou nada faz em defesa da coletividade indígena do alto Tapajós para inverter essa difícil e insuportável situação.
Passagens e custeios da viagem com o deslocamento do grupo  será assumido pela Funai de Brasilia, que tambem emitiu bilhete de passagem para o servidor substituto da Coordenação da Funai em Itaituba  e que poderá ser nomeado o novo Coordenador Regional.

3 comentários:

Anônimo disse...

Walter, eu entendo que essa mudança será muito importante para essa gente, o problema é que tem índios que querem dificultar essa ação, pois sempre tiraram proveitos da situação. Boa sorte eu tenho visto as matérias que saíram sobre esse caso, eu vi em outro blog, muito boa também. Silvério Corrêa - Itaituba.

Anônimo disse...

Meu irmão foi tocaiado, andou com seguranças, não tinha sossego, não dormia direito quando estava na Funai, depois que regularizou a terra dos indios, saiu da Funai pressionado e humilhado com acusações que nunca se comprovou porque não eram verdades e hoje querem sua volta para a Funai. Sinceramente não queria que voltasse, mas o amor que tem pelo trabalho com os indios se depender dele se for convidado jamais dirá não. Eu o conheço bem.

Anônimo disse...

quiser bebida e cigarro só ir na CR tapajós, la tem tudo...