RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

A favor da Funai, indígenas fecham pista da BR-230 em protesto

A favor da Funai, indígenas fecham pista da BR-230 em protesto (Foto: Divulgação/PRF)
Um protesto realizado por indígenas, na manhã desta sexta-feira (18) fecha a rodovia BR-230, a Transamazônica, na altura do quilômetro 55, entre os municípios de Altamira e Anapu, sudoeste do Pará. 
O motivo do protesto é a retirada da Fundação Nacional do Índio (Funai) a atribuição de demarcar as terras indígenas feita pelo Governo Federal.
Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que está no local. Os manifestantes são constituídos de indígenas de quatro etnias, na maioria homens, mas também há a presença de mulheres e crianças.
A rodovia chegou a ser interditada por manifestantes na tarde de ontem (17), mas a intervenção foi suspensa durante a noite.
A PRF informou que não tem competência legal para negociar com os manifestantes. "Nossa função lá é garantir a segurança dos usuários da rodovia e dos próprios manifestantes e, se possível, conseguir a liberação da via", diz a nota.
(Com informações da PRF)

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

ESPERTEZA NO TERREIRO DO RICAÇO

Esposa sedava empresário e usava terreiro de umbanda para desviar fortuna de R$ 27 milhõesEsposa sedava empresário e usava terreiro de umbanda para desviar fortuna de R$ 27 milhões (Foto: Reprodução)
empresário Wilde Pinheiro de Lima, de 88 anos, era sedado pela esposa e impedido de ter contato com a família. Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), o esquema foi montado por Wandrea Sobreiro, de 49 anos, para roubar toda a fortuna do marido. As informações são do Yahoo.
Investigações apontaram que Wandrea usava um terreiro de umbanda para lavar dinheiro e que sedava o marido para o induzi-lo a transferir todo o patrimônio, avaliado em R$ 27 milhões, para ela.
Segundo as investigações, as transferências bancárias eram feitas em formato de doações religiosas a um terreiro de umbanda. O dinheiro do empresário também foi usado para Wandrea comprar imóveis que chegaram a custar R$ 1,5 milhão.
A família de Wilde procurou o Ministério Público. Em 2016, Wandrea foi convocada para prestar depoimento na delegacia, momento em que a família teve para tirar o empresário do apartamento, encontrado com sinais de maus-tratos e desnutrido.
Apesar das suspeitas, Wandrea ainda vive na cobertura do empresário, na praia da barra, avaliada em R4 3,5 milhões. A família também entrou na Justiça com um pedido de investigação de paternidade, já que o imóvel está no nome da filha que ela teve com Wilde.
O relacionamento de Wilde e Wandrea começou em 2011, após o empresário se separar da mulher com quem ficou casado por 30 anos. Na ocasião, Wilde tinha 80 anos, e Wandrea, 42.
(Com informações do Yahoo)

INSS corta mais de 700 mil benefícios após pente-fino

INSS corta mais de 700 mil benefícios após pente-fino (Foto: Reprodução)
Foram cancelados mais de 700 mil benefícios por incapacidades no pente-fio feito pelo pelo INSS durante três anos, sendo encerrado no dia 31 de dezembro. 
As revisões dos auxílios-doença e das aposentadorias por invalidez, feitas por meio de novas perícias médicas a que os segurados foram submetidos, começaram em 2016 e geraram uma economia de R$ 14,5 bilhões, segundo os dados divulgados nesta terça-feira (08), pelo Ministério da Cidadania.

Cerca de 1,2 milhões de perícias foram realizadas entre 2016 e 2018. Segundo a pasta, 369.637 auxílios-doença e 208.953 aposentadorias foram cessados.
Outros 73.722 pagamentos(45.726 de auxílios-doença e 27.996 de aposentadorias por invalidez) foram cancelados por não comparecimento dos segurados, e 74.798 benefícios (36.953 auxílios-doença e 37.845 aposentadorias por invalidez) foram cessados por outros motivos, como óbitos e decisões judiciais.
Os segurados que recebiam auxílios-doença há mais de dois anos, aposentados por invalidez com menos de 60 anos e que recebiam o benefício havia mais de dois anos foram convocados para as perícias médicas. Aqueles com 55 anos ou mais e que recebiam seus benefícios há mais de 15 anos, ficaram de fora. 
De acordo com o Ministério da Cidadania, os benefícios que não passaram por essa fase do pente-fino podem ser reavaliados a partir das novas diretrizes do atual governo.
A expectativa é que a equipe do presidente Jair Bolsonaro envie ao Congresso Nacional, nos próximos dias, uma medida provisória (MP) para o próximo pente-fino em benefícios previdenciários. A ideia é endurecer as regras de concessão da pensão por morte, aposentadoria rural e auxílio-reclusão.
(Com informações do EXTRA)

PMs de Belém e de três cidades paraenses vão ganhar moradia

Até o fim do primeiro semestre deste ano devem sair as licitações para a construção de novos conjuntos habitacionais destinados exclusivamente a policiais militares e seus familiares em Belém, Ananindeua, Marabá e Santarém. O anúncio foi feito ontem pelo novo comandante-geral da Polícia Militar do Pará, coronel José Dilson Melo de Souza Júnior, durante a cerimônia de posse do cargo.
O governador do Estado, Helder Barbalho (MDB), conduziu a solenidade, realizada na sede do Comando Geral da corporação, e reforçou que é responsabilidade de todo o sistema de Segurança Pública trabalhar para a construção do ambiente de paz. O chefe de Estado antecipou ainda que, a partir deste sábado (12), no dia do aniversário de Belém, 60 viaturas que estavam reservadas para atuação administrativa passarão a fazer parte do policiamento ostensivo em todo o território paraense.
Formado na Academia de Polícia Militar (APM) no ano de 1993, o novo comandante está há 26 anos na corporação. Bacharel em Direito, com mestrado em Defesa Social e Mediação de Conflitos, o agora chefe da Polícia Militar exercia a função de diretor da Diretoria de Ensino e Instrução antes de ser nomeado. Ele revelou que há quatro terrenos nos quatro municípios onde devem ser sediados os conjuntos habitacionais comprados há pelo menos dez anos, portanto não há mais porque perder tempo em iniciar os processos licitatórios.

ESTUDO
O coronel confirmou ainda que já foi feito um levantamento do mapa da criminalidade e 36 municípios foram identificados como tendo maior urgência em receber reforço no policiamento. “Isso inclui a Grande Belém, onde estão concentrados mais de 50% dos crimes de homicídio e roubo, nosso foco nesse primeiro momento, registrados”, justifica.
“Espero que com sua larga experiencia, o novo comandante-geral possa, junto de toda a equipe, construir um novo ambiente, de absoluta relação de valorização da tropa, necessária para que cada cidadão e cidadã vista sua farda com confiança no comando, e certeza e de que o Estado está ao seu lado. Vocês terão apoio pleno na função tão honrosa que é proteger e salvar vidas” discursou Helder Barbalho, que confirmou ainda a solicitação de estudos sobre o que pode ser feito para garantir maior segurança às famílias dos policiais, para além das possíveis soluções relacionadas à moradia em ambientes exclusivos.
O governador afirmou que depende apenas da autorização do Ministério da Justiça para receber os homens da Força Nacional que tentarão amenizar a enorme defasagem existente dentro da PM - para uma realidade mínima que deveria ser de pelo menos 33 mil agentes, há somente 16 mil em atuação. “Junto da Polícia Civil e das Guardas Municipais, a ideia é de se criar uma grande força-tarefa para uma atuação emergencial imediata”, diz.
Citando representantes do Ministério Público e do Poder Judiciário, Helder disse ainda contar com o apoio dos dois entes enquanto agentes responsáveis pelas investigações que levam às soluções dos crimes. Ele voltou a citar a necessidade de uma atuação de Governo que leve em consideração o enorme déficit fiscal do Estado, de mais de R$ 1,7 bilhão, e que o remanejamento dos veículos da PM que estavam reservados para atividades administrativas para as ruas é um exemplo de uma gestão eficaz e sem gerar custos.
A maior integração das inteligências das polícias deve marcar o início da gestão do novo comandante-geral. “Essa é uma orientação direta do governador, de intensificar essa integração. É apenas uma polícia, e não várias, e é preciso que haja integração entre todas as frentes. A atuação das milícias, por exemplo, é algo inquestionável no Estado, em especial na Região Metropolitana, e com as inteligências agindo em conjunto, temos mais chances de identificar as áreas de domínio e as lideranças”, analisa o coronel.
(Carol Menezes/Diário do Pará)