RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Julho deve ter altas temperaturas em todo Estado

Julho deve ter altas temperaturas em todo Estado (Foto: Mácio Ferreira/Ag. Pará)
Grande parte do Pará apresenta altas temperaturas e baixos volumes de precipitação no mês de julho. Segundo monitoramento climático feito pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), por causa da diminuição das chuvas e redução da nebulosidade, as temperaturas devem ser elevadas em todo o Estado, com máximas diárias podendo ultrapassar os valores médios em até 3°C.
Os valores máximos de chuva na faixa norte do Pará, em julho, ficarão entre 100 e 180 mm, distribuídos em pancadas de chuvas entre o fim da tarde e início da noite. A porção sul do Estado já apresentará período seco estabelecido, com precipitação neste mês de até 25 mm, valores bem reduzidos decorrentes do predomínio de massa de ar seco na região central do Brasil.
A região centro sul e extremo sudeste paraense deve registrar temperaturas máximas diárias entre 34ºC e 37ºC, já que a massa de ar seco provoca grande incidência de radiação solar, amplitude térmica e baixos índices de umidade do ar.
Calor 
Quem pretende viajar para as praias de Mosqueiro, em Belém, e Salinópolis e Marudá, no nordeste paraense, deve ficar atento às altas temperaturas. Nos três balneários, as máximas alcançarão valores em torno de 32ºC a 33ºC. O valor médio mensal de ocorrência de chuva nessas áreas é de 217,4 mm, 129,9 mm e 136,6 mm, respectivamente. 
Em Belém, os valores máximos de temperatura devem oscilar entre 33ºC e 34ºC, com média pluviométrica próximo de 200 mm. Na Praia de Ajuruteua, em Bragança, as chuvas apresentarão valores próximos de 168,4 mm no mês, e os termômetros podem indicar até 32ºC.Segundo o diretor de Meteorologia e Hidrologia da Semas, Antônio Sousa, o Pará, entre os meses de novembro a abril, em média, tem o período de maior ocorrência de chuvas. De maio a outubro é observada a menor quantidade mensal de chuva em grande parte do Estado. “A redução da nebulosidade e das chuvas contribui diretamente para o aumento das temperaturas máximas diárias”.
Dados divulgados pelo Centro Integrado de Monitoramento Ambiental e a Diretoria de Meteorologia e Hidrologia da Semas confirmam que julho é marcado pelo início do período mais crítico de ocorrências de queimadas. As condicionantes climáticas atuais ajudam no desencadeamento e na propagação do fogo. O mês apresenta em média 1,2 mil focos de queimadas. Até o dia 5, foram registrados 74 focos. A maior quantidade registrada para este mês foi de 4.436 focos, em 2004.
(Com informações da Agência Pará)

Nenhum comentário: