RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

BOLIVIANA QUE REVISOU PLANO DE VOO PEDE REFUGIO AO BRASIL


A boliviana Célia Castedo Monasterio, apontada como responsável por ter autorizado o plano de voo do avião da Lamia que levava a delegação da Chapecoense e partiu de Santa Cruz de la Sierra entrou com um pedido de refúgio no Brasil. A solicitação foi feita na segunda-feira na sede da Polícia Federal em Corumbá (MS).
De acordo com o delegado Sergio Luis Macedo, a solicitação já foi encaminhada ao Ministério da Justiça, que tem até um ano para avaliar o pedido. Durante este período, Célia pode permanecer legalmente em território brasileiro.
"Ela alegou que está sendo perseguida e tida como um bode expiatório, a única culpada pelo Ministério Público Boliviano neste acidente. Ela diz que não tinha autoridade para impedir que o avião decolasse. Então foi feito o pedido de refúgio aqui na delegacia, que é enviado automaticamente ao Ministério da Justiça por meio de um sistema computadorizado. Mas a partir de agora, ela já pode ir para onde quiser aqui no Brasil", disse Macedo.
Célia também prestou depoimento ao Ministério Público Federal do Mato Grosso do Sul, mas o delegado disse que não teve acesso a ele. O órgão publicou uma nota oficial.
"A boliviana C.C.M foi atendida na Procuradoria da República no município de Corumbá/MS. A Secretaria de Cooperação Internacional da Procuradoria-Geral da República, em coordenação com as procuradoras Gabriela Tavares e Maria Olívia, vai solicitar aos órgãos federais competentes as medidas cabíveis, conforme as normas internacionais e o direito brasileiro", diz o comunicado oficial do MPF.
Célia é funcionária da AASANA (Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea) e revisou os planos de voo do avião da Lamia antes do embarque. Um documento mostra a assinatura da funcionária, que chegou questionar o plano e apontar diversas falhas para Álex Quispe, um dos tripulantes da aeronave que caiu e uma das vítimas fatais do acidente.

Nenhum comentário: