RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

sábado, 8 de novembro de 2014

Desmatamento disparou na Amazônia

Agora é oficial: o desmatamento na Amazônia disparou em agosto e setembro. Foram devastados 1.626 km² de florestas, um crescimento de 122% sobre os mesmos dois meses de 2013.
O governo federal já conhecia esses dados antes do segundo turno da eleição presidencial, realizado no último dia 26. As análises mensais do sistema de alertas de desmatamento Deter estavam prontas pelo menos desde 14 de outubro no Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). No dia 24, foram encaminhados pelo diretor do Inpe, Leonel Fernando Perondi, ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.
Em agosto, foram desmatados 890,2 km², um salto de 208% sobre os 288,6 km² do mesmo mês de 2013. Em setembro foram 736 km², 66% mais que no ano passado.
Assim, nesse que é o primeiro bimestre do “ano fiscal” do desmatamento amazônico, a taxa de aumento combinada foi de 122% -tradicionalmente, os dados de desmatamento são medidos de agosto a julho.
Um dos fatores para o aumento do desmatamento pode ser a expansão da agropecuária, que é o único setor da economia cujo PIB tem crescido significantemente.
Além disso, anos eleitorais costumam ter aumento de desmatamento, supostamente em função de uma menor fiscalização, e as mudanças recentes na legislação ambiental podem ter estimulado os desmatadores a aumentar o ritmo das suas atividades.
Segundo o Ibama, houve ainda uma intensificação da atuação do crime organizado no desmatamento para a venda ilegal de madeira.
A Folha de S.Paulo tentava obter esses dados do Inpe desde 20 de outubro. Segundo a direção do Ibama, o órgão tem segurado a divulgação de dados do desmatamento para evitar que sejam usados pelo crime organizado para fugir das ações de fiscalização.
“Quando eu coloco os dados na tela, o criminoso pega aquilo e sabe onde vai o Ibama”, diz o diretor de proteção ambiental do órgão, Luciano de Meneses Evaristo, “Muitos dizem que o Ibama esconde os dados. O Ibama esconde os dados do bandido”, disse Meneses. Segundo ele, foi feita uma operação no fim de agosto no Pará, com 11 mandados de prisão, o que diminuiu os alertas em setembro.
(Diário do Pará)
Imagens meramente  Ilustrativas RP

Nenhum comentário: