RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Municípios do Baixo Amazonas aderem ao Pacto pela Educação do Pará


Os municípios da região do Baixo Amazonas, no oeste paraense, iniciaram sua adesão ao Pacto pela Educação do Pará e ao Sistema Paraense de Avaliação Educacional (Sispae) nesta terça-feira (10), na cidade de Santarém, durante apresentação dos principais programas e projetos que compõe o Pacto. Com a adesão, cada município se compromete a cumprir a principal meta do Pacto, que é elevar em 30% o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do Pará até 2017.
Dados apurados pelo Pacto pela Educação do Pará demonstram a fundamental participação das redes municipais de ensino no início e no decorrer dos primeiros anos do processo educacional. Em todos os 13 municípios do Baixo Amazonas - Alenquer, Almeirim, Belterra, Curuá, Faro, Juruti, Mojuí dos Campos, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Prainha, Santarém e Terra Santa - são 924 unidades escolares municipais de Educação Infantil e 1.353 de Ensino Fundamental, enquanto a rede estadual possui 65 escolas.
Outros números demonstram ainda mais a força das redes municipais. Elas possuem quase 8 mil docentes, enquanto a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) possui aproximadamente 2 mil professores na região. As redes municipais concentram cerca de 160 mil estudantes, na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, e a rede estadual possui aproximadamente 50 mil alunos na região.
“Estamos convidando os municípios a aderirem ao Pacto e ao Sispae. Nós só conseguiremos ter êxito em nossas metas no momento em que estivermos juntos”, afirmou o secretário de Estado de Educação, Cláudio Ribeiro, sobre a importância da união de esforços entre municípios e Estado, com o objetivo de melhorar a qualidade da educação básica, “para que o cidadão paraense usufrua do processo de desenvolvimento econômico que ocorre em cada região deste Estado”.
A adesão ao Pacto possibilita ao município o acesso, por meio de transferência de tecnologia e apoio técnico, entre outras ações, ao Projeto de Apoio à Gestão Municipal, o Projeto Qualificação da Gestão Educacional, o acesso ao Projeto PNAIC + Trilhas, que garante o uso de material didático do Projeto Trilhas, do Instituto Natura, e conta, ainda, com a parceria da Fundação Itaú Social, que disponibiliza uma plataforma pedagógica para os professores e permite a realização de um diagnóstico do rendimento de cada aluno Provinha Brasil.
Avaliação - Um dos principais projetos a chegar às redes municipais de ensino é o Sispae. Trata-se de um programa de avaliação permanente que, será aplicado anualmente nas escolas paraenses, como uma ferramenta orientadora para o planejamento das ações das Secretarias de Educação.
Ele possibilitará a realização de um diagnóstico preciso, com indicadores sobre o ensino, a gestão e socioeconômicos de cada escola, e de toda a rede de ensino. Na área do ensino, avaliará o aprendizado em Língua Portuguesa e Matemática, estabelecendo, neste primeiro ano de aplicação, uma linha de comparação com a Prova Brasil, exame que compõe a nota do Ideb.
Em 2013, participam do Sispae estudantes do 3º ano e da 7ª série do Ensino Fundamental, e dos três anos do Ensino Médio, professores, diretores de escola, e os responsáveis pela aplicação dos questionários. Ao aderir ao Sistema, cada município terá somente que garantir a aplicação da prova, por meio da formação de uma equipe local. O resultado das avaliações terá sigilo e será repassado para cada escola, e à rede de ensino.
Entre os municípios que já aderiram ao Pacto estão Alenquer, Juruti, Monte Alegre, Mojuí dos Campos, Óbidos, Oriximiná, Santarém e Terra Santa. O primeiro município a aderir ao Pacto pela Educação do Pará e ao Sispae foi Santarém. “Toda a sociedade de Santarém se compromete com a educação pública de qualidade. Queremos que essa experiência do Pacto chegue às escolas municipais, aos nossos alunos do Ensino Fundamental que, ao chegarem ao Ensino Médio, estarão mais preparados”, afirmou o prefeito de Santarém, Alexandre Von, destacando a importância de ter uma ferramenta própria de avaliação do desempenho da educação básica.
Fonte: Agência Pará

Nenhum comentário: