RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Lideranças indígenas Munduruku do rio Kabitutu se reúnem com Raulien Queiroz

Um grupo de lideranças indígenas Munduruku da região do rio Kabitutu esteve reunido com o prefeito Raulien Queiroz na quarta feira, 04, no auditório do complexo administrativo da prefeitura para conversar sobre as politicas públicas que serão executadas no próximo ano naquela região. Lideranças das aldeias Jardim Kaburuá, Biribá, Porto, Katõ entre outras, expuseram ao prefeito as demandas sobre educação, saúde e estruturação básicas de casas de farinha nas comunidades. Estavam também presentes na reunião dois servidores da Funai, o secretário de administração Roberto Strapasson, secretário de assunto indígena Ivânio Alencar, vereadores Evanilson Rosa e Elinaldo Crixi, e do cacique geral da nação Munduruku Arnaldo Kabá Munduruku.

As reivindicações entregues ao prefeito delinearam desde a aquisição de machados à construção de posto de saúde em algumas aldeias. 
O prefeito Raulien Queiroz fez um breve balanço sobre os investimentos na área indígena com capacitações na fabricação de farinha, construção de 25 escolas obedecendo ao padrão de arquitetura do MEC, além de aquisição de grupos geradores, embarcações em alumínio com motor de popa, apoio às atividades culturais nas aldeias. “Recebi com atenção cada pedido dos senhores. Estaremos estudando meios de atender cada uma das reivindicações. Em 15 dias daremos uma resposta”, disse o prefeito acrescentando que a reforma e ampliação da escola da aldeia polo Katõ acontecerá no próximo ano. “Outras aldeias com demandas de estudantes suficientes para atenderem à exigência do MEC, receberão escolas padronizadas”, anuncia.

O prefeito também argumentou que existem políticas públicas de responsabilidade exclusiva do Governo Federal, como é o caso da saúde indígena dos Munduruku aldeados. “A construção de postos de saúde nas aldeias é de competência da Secretaria Especial de Saúde Indígena - SESAI. Já a construção das escolas para o Ensino Fundamental é de responsabilidade do município”, explica Raulien Queiroz. “É importante termos esse tipo de diálogo, pois assim teremos conhecimento sobre as competências da União, Estado e Município”, disse.

O secretário de administração Roberto Strapasson falou sobre a dificuldade em administrar um município onde as mais de 125 aldeias o acesso é feito por via fluvial. “Para os senhores terem uma ideia o governo federal repassa ao município R$ 0,60 (sessenta centavos) por dia para cada aluno indígena e um simples espetinho custa 2 reais. Para transportar a merenda até as escolas das aldeias, o município gasta mais que o dobro do custo da merenda escolar” disse Strapasson, acrescentando que a folha de pagamento do município custa mais de 2 dois milhões e duzentos mil reais. “Mensalmente estamos recolhendo só de INSS 600 mil reais, devido à negociação feita com a Previdência Social sobre a inadimplência que o município tinha devido o não recolhimento previdenciário dos servidores durante os governos anteriores”, contabiliza. Texto e Fotos Nonato Silva

Nenhum comentário: