RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

sábado, 13 de julho de 2013

CORAÇÃO DA AMAZÔNIA ABRAÇA A CORÉIA

Jacareacanga – Será realizado no período de 20 de agosto a 3 de setembro do corrente ano  na cidade de Sunchoen, República Federativa da Coreia do Sul, uma conferencia denominada  no preâmbulo  com convites estendido a algumas etnias da Amazônia brasileira. No aludido encontro deverão ser tratados assuntos de interesse à preservação do meio ambiente  e da cultura dos povos indígenas.
Promove o encontro internacional  a Federação  Coreana para o Movimento Ambientalista (KFEM-Korea Federation for Environmental Movement)
Representando o Povo Munduruku, estará seguindo o Coordenador Geral da Associação Indígena Pusuru,  Waro Jempô (Cândido Waro).
Entre os objetivos do encontro incluem-se:
Compartilhar a consciência solidaria entre os povos da Amazônia e Coreia
Assegurar energia emotiva através da solidariedade
Fomentar a consciência cidadã sobre a proteção da Amazônia
Entendimento sobre o movimento da Coréia pelos indígenas da Amazônia.
Waro Jempô, deverá levar na bagagem  ao oriente o desespero de tantos indígenas Munduruku, preocupados com os grandes projetos energéticos do Governo Federal  no Rio Tapajós que por certo  se executados trarão grandes impactos não somente ambientais, e sim culturais à nação indígena Munduruku.
Recentemente, alguns guerreiros dessa etnia fizeram apreensão de farta quantidade de materiais para capturar espécimes animais e vegetais que pertencem a vida aquática, além de terem feito reféns três pesquisadores que estavam à frente  de estudos preliminares  fato esse que os indígenas não permitem  por não terem sido consultados oficialmente sobre o empreendimento.
Infelizmente está faltando habilidade para se lidar com os indígenas que se sentem desrespeitados, e se algo não acontecer que paralise em definitivo qualquer estudo preliminar ou trabalho que remeta ao assunto sobre hidrelétrica, poderá ocorrer  ainda sérios problemas.
Os Caçadores de Cabeça, como são antropologicamente conhecidos os Munduruku, vem acumulando seguidas derrotas e estão no momento sem saber  a quem recorrer. As mazelas para esse povo iniciou-se com a tomada pela Policia Federal para dar cumprimento a Operação Eldorado da Aldeia Teles Pires, onde além de terem tido muitas pessoas agredidas pela força desproporcional, principalmente pessoas idosas,  registram os índios a morte de um parente (Adenilson Krixi) que foi barbaramente assassinado na invasão.
Outros reveses sofrido pelos silvícolas  dão conta de sucessivas incursões que fazem à Itaituba na Funai para cobrarem ação indigenista do organismo indigenista brasileiro além de varias viagens que fizeram à Brasilia, visando vetarem projetos de construção barragens no Tapajós e em áreas de influencia.
Como observa-se, assuntos não faltarão para que o líder indígena que irá à Coreia do Sul discuta na conferencia internacional supramencionada.  

 

Nenhum comentário: