RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

terça-feira, 23 de agosto de 2011

A MARCHA FRACASSADA DO NÃO

Belem - Redundou em completo fiasco e fracasso a manifestação popular que o comitê que se opõe à divisão do Pará realizou domingo (21) em algumas vias publicas centrais da capital do Pará, criando em consequência maior entusiasmo no Comitê Pró-Divisão Tapajós Carajás que ensaia um movimento para levar às ruas contingente composto por milhares de pessoas que lutam em defesa de um povo que por longos tempos   é esquecido pelos Governos do Estado desde o longinquo Grão Pará.

A Marcha em Defesa do Pará, como intitulou-se o amontoado e desorganizado movimento de pessoas não recebeu apelo popular, e de um expectativa de se colocar nas ruas 15 mil pessoas, cerca de um decimo dessa quantidade se submeteu à manifestação que se contrapõe à divisão do Pará.

Ridiculo de tudo isso, é que o movimento contra a criação dos estados do Tapajós e Carajás recebe apoio na surdina do principal cabo eleitoral do NÃO. Sua Excelencia o Governador Jatene, que posa com cara sem-vergonha como bom moço adotando caráter de neutralidade e fazendo apologia à consulta mas se entrega em defesa do NÃO já que Santarém o principal conglomerado humano do Baixo Amazonas, nunca recebeu tanta atenção de um governador do Estado como ultimamente. Em suma, com tanto e generoso apoio de JATENE, de uma coisa pode se ter certeza. Pensam que somos asnos. 77  NELES!!!

Um comentário:

Anônimo disse...

DIVISÃO DO PARÁ JÁ: Mais um bebê morre após negligência


Carliane Nunes foi mais uma vítima da negligência e a omissão dos órgãos públicos. Depois de passar pelos hospitais da Santa Casa de Misericórdia, Gaspar Viana e Santa Clara, a univrsitária teve um bebê no banco do carona, do carro de um vizinho que testemunhou o sofrimento da mãe.

"Na primeira vez em que eu cheguei na Santa Casa, me despacharam da porta. Eu estava sentindo dor e me negaram socorro. Eu já cheguei no Santa Clara com a criança nascendo, foi quando um enfermeio veio finalizar o resto do parto, dentro do carro, e mandou que eu corresse pra Santa Casa porque o meu filho corria risco porque era prematuro.", relata a estudante.

Só depois que a criança nasceu foi que Carliane foi atendida de fato na Santa Casa. Enzo nasceu de sete meses, com 1,200 kg e 32 centímetros. Encaminhado à UTI neonatal, o menino foi entubado e permaneceu com vida por três dias, vindo a óbito devido a uma infecção contraída durante o parto.

Em entrevista à RBA TV, Carliane afirma que vai processar o Estado e que tem certeza de que se tivesse sido atendida a tempo, o bebê estaria vivo. "Eu não quero que outras mães passem pelo o que eu estou passando. O caso do meu filho não vai ficar impune. Quero que seja feita justiça.", finaliza, emocionada, a jovem mãe.

OUTRO CASO
Por falta de leito para internação, Vanessa do Socorro, com sete meses de gestação, perdeu os filhos gêmeos após passar horas tentando atendimento na Santa Casa e no Hospital das Clínicas, em Belém.

EU voto 77. SIM