RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

segunda-feira, 18 de julho de 2011

ESTADO DO TAPAJÓS - NOTICIAS E COMENTÁRIOS REFERENTE A LUTA

Lançamento as Frentes Parlamentares Pró Estado do Carajás e Tapajós
Luciano Guedes – presidente da AMATCARAJÁS – Associação dos Municípios do Araguaia, Tocantins e Carajás – informa que será realizada solenidade de lançamento das Frentes Parlamentares Pró Estado do Carajás e Tapajós no dia 21.
O evento, segundo Guedes, acontecerá em Belém durante um café da manhã no Hilton Hotel às 8:00 horas, em Santarém às 14:00 horas e na Câmara de Vereadores de Marabá às 20 horas.

A programação contará com a participação dos Deputados Estaduais e Federais dos dois futuros Estados, sendo eles acompanhados por Duda Mendonça, que fará uma apresentação sobre as campanhas.

É importante salientar que o publicitário Duda Mendonça fará também a campanha do Tapajós, o que deve ser visto como grande ganho, já que é importante que as duas frentes (Carajás e Tapajós) caminhem juntas, fato que será decisivo para a criação dos novos Estados.

O DIREITO DE DESABAFAR

Por Luiz Alcarde - Jornalista (SP)
Caro amigo Tertulino, nome que vejo em seu blog. Meu nome é Luiz Alcarde, jornalista da cidade de São Paulo. Quero dizer que os comentários postados, entre muitos outros foram de minha autoria. Vivo em São Paulo, e sempre que posso consulto os blogs da região. O que passa é que sou a favor do criação do Estado do Tapajós e Carajás, principalmente Tapajós. O que uma pessoa do sul deste país tem haver com a criação do Tapajós, tem sim, posso não ser maioria ou minoria, mais sou esclarecido, e sei que a criação do Tapajós, será bom para o Brasil como um todo, como uma federação mais forte e igualitária. Sem distinção ou até mesmo sem discriminação como uma região pobre do Brasil. Quem vai pagar a conta, digo o governo federal tem muito dinheiro para isso e muitas vezes desperdiça com obras faraônicas , neste caso será o maior investimento para a Amazônia. Se a região norte for desenvolvida será melhor para o Brasil como um todo, pena que nossos políticos também estão enfocados em outras questões, a própria presidente Dilma, deveria estar empenhada nesta questão. Mas se uns não fazem , outros tem que fazer, e vejo a questão por cima dos interesses pessoais, como disse, moro em São Paulo e não tenho interesse político, o que quero que o norte seja desenvolvido de forma sustentado e essa imensidão é ingovernável. Vejo a região de Belém com políticos maquiavélicos, o próprio governador Jatene uma ave de rapina, alguém acredita que depois do plebiscito ele vai continuar com o governo itinerante e irá transferir verba para a região ? Enfim, escrevi esse desabafo após ler a matéria do blog do Amaral, sei que ele é um defensor do Tapajós, porém a matéria dizia, "Quem vai administrar a euforia." Gente, vamos passar confiança e não dúvidas ou incertezas, não há tempo para isso. Também fiquei puto com uma matéria do Geosociedade que dizia "Porque o nome Tapajós e a capital Santarém", É foda parar neste momento para discutir o nome do estado e a capital se nem sequer esse estado foi criado. Enfim, torço para a região ser emancipada, tenho repetido varias vezes, emancipada. São só desabafos que escrevo quando vejo que as coisas estão sendo encaminhadas de forma equivocadas e que a coisa é muito simples, está na mão do povo decidir, basta abrir os olhos dessa gente. Boa sorte.


EMANCIPAÇÃO SERÁ O MAIOR INVESTIMENTO NA AMAZÔNIA
Por Luiz Alcarde – Jornalista (SP)

No dia 11 de dezembro o Brasil verá, pela primeira vez, o povo se manifestando num plebiscito sobre a reorganização territorial e criação de novos Estados. Todos os demais Estados criados após a Independência foram resultado de decisões autoritárias. O Tocantins seria a exceção, mas neste caso quem se manifestou foi o Congresso constituinte e não o povo.

Mato Grosso foi dividido por uma canetada do general-presidente Figueiredo. Amapá, Acre, Rondônia e Roraima foram decisões do ditador Getúlio Vargas que os fez Territórios Federais depois transformados em Estados pelos constituintes de 1988. Muito antes, dom Pedro II criou Paraná e Amazonas. A própria capital federal, Brasília, cujo território foi retirado de Goiás, foi decisão solitária de Juscelino Kubistchek, projeto que enterrou o país na onda inflacionária que até hoje nos atemoriza.

O plebiscito pelo Tapajós e Carajás é, portanto, uma experiência sócio-política inédita e por isso o Brasil deveria prestar mais atenção, ao invés de as elites nacionais, especialmente a "grande" imprensa, ficarem desdenhando e externando o seu conhecido preconceito a respeito de tudo que se faz e tenta fazer na Amazônia. Seu preconceito só não se manifesta em relação ao saque dos recursos naturais daqui para lá.

Os que se opõem usam os mesmos surrados argumentos do passado, de que uma nova unidade autônoma sairia muito caro. Caro ao país é o projetado "trem-bala" Rio-S.Paulo, bilhões que poderiam ser empregados na construção de rodovias e ferrovias decentes por todo o país. Caro aos milhões de amazônidas são os mega-projetos de gigantescas hidrelétricas e de mineração que carregam as riquezas da região para fora, muito pouco ou nada deixando aos brasileiros da Amazônia, tão brasileiros quanto os demais. Caro, caríssimo ao Brasil é a percepção de governos tanto ditatoriais como democráticos que continuam a encarar a região como colônia do Brasil e do grande capital, nacional e estrangeiro.

2 comentários:

Anônimo disse...

BOA SORTE AOS TAPAJOARAS.


É engraçado como tem muitos parenses contra esse plebiscito sou AMAPAENSE em 1943 o Amapá virou território e em 1995 estado Hoje as dúvidas que confundem essas pessoas era as mesmas naquela época,o governo federal continuou custeando todos os serviços esenciais nesse caso com a criação do novo estado não será diferente a autonomia administrativa sera um marco para o desenvolvimento da região mas,se os moradores não tiverem comprometimento com gerações futuras o futuro estado do tapajós(se conseguirem)estará sempre aliado aos interesses dos políticos de Belém que pensam e um estado grande mas se desenvolvimento conjunto!Desde já desejo boa sorte caso consigam!

Anônimo disse...

Mais 2 deputados do Pará aderem o SIM pela emancipação;

Foi um ato público histórico! E o hino lançado por Duda Mendonça para embalar a campanha do SIM ficou sensacional.Puxa pela emoção de qualquer paraense e orienta o discurso geral que precisamos fazer em todo o Estado para ganhar esse plebiscito.
Mais dois deputados do PT aderiram à campanha do SIM: Valdir Ganzer (estadual) Zé Geraldo (Federal).


DUDA MENDONÇA foi enfático em citar que a campanha deverá adotar o termo de multiplicação para três Estados, e não uma divisão. Com poucas palavras, frisou que o correto é provar à região metropolitana de Belém que o Pará remanescente se desenvolverá mais ainda após a criação destes novos Estados.