RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

domingo, 5 de junho de 2011

RANILSON PRADO É ELEITO EM AVEIRO SEPULTANDO DE VEZ O GORETISMO-SALESIANO

PRADO VENCE A ELEIÇÃO PARA PREFEITO E DESBANCA FUZICA E ELIEZER
Aveiro – De acordo com informações repassadas pelo amigo Giliarde do Escritório de Representação do Poder Executivo de Jacareacanga em Itaituba,  Ranilson Prado  acaba de consagrar-se Prefeito eleito do município de Aveiro, desbancando seus opositores Fuzica e Eliezer que quedam-se abraçados, na corrida à Prefeitura Municipal. Pelo andar da carruagem Fuzica deve deixar a vida publica ou esperança em comandar o Poder Executivo um dia. Sai de cena muito desgastado.

Com apoio político maciço do Deputado Federal Dudimar Paxiúba, e de outros entes  políticos do estado, e com forte aparato da maquina administrativa a seu favor Ranilson de fato e de direito é o prefeito de Aveiro sepultando definitivamente o Goretismo-Salesiano  que impregnava  a vida política do município a algum tempo e tentava se reerguer na candidatura de Eliezer.

Talvez outro fator que comprometeu a eleição de Eliezer foi o apoio recebido de Valmir Climaco prefeito de Itaituba, que  não fazendo nada em sua pátria o que faria em pátria alheia? Juntou-se a Gorete e deu no que deu lamenta Eliezer.

Apesar do candidato Eliezer oriundo das entranhas políticas do Goretismo  ser um referencial de respeito e profissionalismo,  era de se esperar que se eleito estaria politicamente geminado com a linha política do sistema ora sepultado, e o povo resolver preteri-lo.

Por outro viés em analisar a trajetória política de Fuzica  remete todo empenho e disposição para ser eleito tal qual um samba de uma nota só, constituiu sua plataforma política no município atacando e minando a base do Gorestismo sem empolgar sua base já que não tinha outros discursos que transformasse em captação de votos.

Voltando ao Prefeito eleito, cabe ao mesmo a grande responsabilidade em transformar o município mesmo com os parcos recursos que aufere com o FPM, investir nas políticas sociais e em infraestrutura  e para isso corredor político tem, já que em termos de relação estreita com políticos exercendo mandatos  tem e lhe sobram apoio tanto do Estado quanto na Capital Federal. Deve ter cuidado extremo exatamente por fartos  apoios políticos recebido para que não haja contrapartida através do já combalido erário publico à disposição do município.

Na verdade um dos fatores de êxito da eleição  de Prado foi a impressão que causou com a companhia de políticos de expressão regional e nacional, que poderão em curto espaço de tempo facilitar a busca por recursos nas esferas governamentais; mesmo  misturando em seu palanque de campanha com  pessoas  comprovadamente contestadas pela população e que no limiar  da eleição apareceram tal qual mesuras de mau-agouro.

2 comentários:

Anônimo disse...

todo povo tem o governante que merece. aveiro continuará sendo quintal de itaituba.até quando?

Manoel disse...

O dia seguinte.
Uma eleição digna do momento em que vive o povo de Aveiro, com a mais correta expressão do sentimento do eleitor. Abandonaram as urnas e silenciosamente calaram-se diante do processo eleitoral, pois estavam presentes aos atos políticos da campanha apenas os desvalidos, a maioria jovens sem qualquer perspectiva, trabalhadores em idade produtiva que nunca tiveram uma oportunidade e de repente puderam receber dinheiro para alimentar o sonho de salário, mesmo que efêmero e duvidoso. A maioria dos habitantes da cidade sabe que vai sofrer mas sabe que diante do quadro ofertado sofreria de qualquer jeito, portanto fizeram o que jugaram melhor e abandonaram o processo eleitoral e não foram às urnas, como quem acha que nem o tempo deve ser gasto para isso. O que deveria ser a festa da democracia ganhou perfil de repúdio, não para esse ou aquele, mas para o formato.
Felizes mesmo, só os que acham ter ganho algo na campanha, os que entendem uma eleição como a oportunidade de arrancar seu “naco do poder”, ao receberem algum pagamento dos candidatos já se acham intimamente felizes e contemplados, quem vence a eleição não importa, até porque todos prometem, mesmo sem dizer como vão executar. Elegantemente tristes seguem todos, sabendo que a vida vai continuar, que novamente em detrimento de alguns sorriram outros, como se dividir fosse impossível e somar a única solução para os problemas pessoais, sem perceber mais uma vez alguns que somente alguns vão multiplicar, no fim de mais uma trajetória a ordem é mais uma vez SUBTRAIR, como seria com qualquer um dos eleitos, mas o pior mesmo é que a equação proposta é quem realmente domina os níveis de poder na cidade, o formato que parece intransponível embriaga de poder os eleitos, não demora nada e já estaremos na fila pedindo e eles atrás das mesas negando ou contemplando é desse formato pernicioso que falo e que todos reconhecem, um formato de distribuição de renda que dá muito mais poder do que realmente é permitido ao Prefeito, seja ele quem for, por isso em pouquíssimo tempo ao ver se humilhar o eleitor chegam aos orgasmos múltiplos, desconhecem a covardia do processo e se julgam acima do bem e do mal, governam para os seus até serem preteridos nas urnas e outros virão sem diferença alguma no sentimento, apenas acompanharão o formato. É cedo pra dizer, mas acho que a cidade reconhecendo a falência do processo ao negar-se nessa eleição inicia um verdadeiro processo de transformação e mudança, a abstenção representada pela ausência mostra claramente que não ouve convencimento da maioria, quem sabe cansaram ou quem sabe morreram dentro de si. Que esse processo abra os olhos dos que pretendem lançar-se no próximo pleito e que Deus seja piedoso enquanto isso não acontece.