RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

USINA DE BELO MONTE: ÍNDIOS E AGRICULTORES CONTRA

Amazônia - Índios e agricultores temem construção de hidrelétrica no Pará  

28/01/10 às 14h16min

Pará - A Usina de Belo Monte, no Pará, se construída, será a terceira maior hidrelétrica do mundo e a segunda maior do Brasil, atrás apenas de Itaipu.
 Ela ainda aguarda licença prévia ambiental do Ibama para sair do papel, mas já vem gerando polêmica há três décadas.

A usina terá dois reservatórios no Rio Xingu: a barragem principal ficará próxima de Altamira, de onde deverão sair canais que serão construídos para abastecer um segundo reservatório rio abaixo, numa área que pertence ao município de Vitória do Xingu.

Os estudos de impacto ambiental mostram que os dois reservatórios de Belo Monte devem provocar inundação total ou parcial de pelo menos 1.241 propriedades rurais, onde vivem quase 3 mil agricultores. O levantamento também indica que em 78% desses imóveis são desenvolvidas atividades ligadas à agricultura familiar e à pecuária bovina.

As famílias atingidas terão que ser reassentadas em outras áreas e devem receber indenização pelas benfeitorias. O agricultor João Pereira se enquadra nesse caso. Toda semana, ele leva para a feira de Altamira as frutas e legumes que produz na roça. Agora, tem receio de perder tudo o que construiu em 25 anos de trabalho.

Nós vivemos desses produtos. Se formos ser tirados para outro lado, não sei para onde vamos e não sei como vamos sobreviver. É para isso que queremos uma solução”, diz.

A construção de Belo Monte poderá custar até R$ 30 bilhões. Em dez anos, deve gerar de 18 a 20 mil empregos diretos. Ainda assim, o projeto desperta polêmica há quase três décadas. Além dos agricultores, as críticas vêm de comerciantes e representantes dos movimentos sociais.

“Eu não queria que esse governo entrasse na história como um governo que arrasou a área do Xingu, que arrasou com esses povos e não colocou alternativas para que esses povos possam sobreviver”, falou dom Erwin Krautler, presidente do Conselho Indigenista Missionário.  
Índios
As comunidades indígenas também se mostram resistentes ao projeto. Um grupo de caciques foi a Brasília contestar a construção da hidrelétrica. “Isso já custou 20 anos da nossa história de trabalho e de sofrimento. Nós não estamos mais dispostos a fazer mais essa brincadeira de gato e rato do governo federal. Ou ele respeita nossos povos indígenas ou os povos indígenas, que já declararam guerra contra Belo Monte e é isso que vai acontecer no futuro se o povo insistir em implantar Belo Monte na nossa região”, avisou Luís Xipaia, cacique e presidente do Conselho Indígena de Altamira.

Desenvolvimento
Do outro lado estão os políticos e empresários que defendem a usina como uma grande oportunidade de desenvolvimento para a região. “Serão alagados 516 km² dessa área que já é a própria calha do Rio Xingu. Mas mesmo assim vai se perder alguma área de floresta e algumas fazendas serão alagadas. Eu acho que essa perda não é tão significativa diante do tamanho do município de Altamira, que é de 159 mil km², onde 96% ainda é de área preservada”, defende Vilmar Soares, coordenador do Fórum de Desenvolvimento da Região da Transamazônica.

Por enquanto, não há previsão para o inicio das obras. O Ibama ainda está examinando os documentos para a concessão da licença prévia. O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirma que essa primeira licença vai exigir algumas condições dos construtores.

A nossa mão vai ser pesada. Os condicionantes ambientais e sociais são de mais de R$ 1 bilhão em saneamento, habitação, escola técnica, adoção de parques, adoção de reservas indígenas. O projeto é importante para o país, mas vai beneficiar muito a população da região, que terá um nível de vida, de saúde e educacional muito melhores do que antes. Mais de R$ 1 bilhão serão cravados na licença como obrigações do empreendedor”, diz Minc. O ministro informa ainda que o Ibama deve conceder a licença prévia para o início da obra no mês de fevereiro.
Globo Amazônia

Um comentário:

CARLOS AREDIO disse...

MÁQUINA GERADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LIMPA AUTO-SUFICIENTE.
Que é capaz de gerar MEGAWATTS/horas, (conforme a capacidade de cada TURBINA OU USINA PODENDO ALCANÇAR GIGA Watts/horas).
Não necessita de energia-externa, mecânicas ou combustíveis em geral, para seu funcionamento. Não agride o meio ambiente é 100% limpa.


Com respeito à necessidade de esforços na corrida pelas fonte energéticas alternativas no mundo, a busca para a imediata solução de não mais haver a liberação do dióxido de carbono na atmosfera, e para não ter mais que empurrar a economia adiante por estes meios, tendo em vista acabar de vez com os inúmeros fatores preocupantes que assolam o setor energético no Brasil e no mundo, e com propósito de, superá-los, foi inventada pelo senhor Carlos Aredio Arruda Alves, brasileiro.

A patente de número:
PI 0903102-2, junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial INPI, consiste em revolucionar a produção de energia elétrica, dando a oportunidade única ao Brasil em acabar com á crise energética e se consolidar de vez sua posição de liderança mundial na produção de energia. E o melhor, com produção de energia limpa.

Vale ressaltar, que á Máquina não utiliza energia externas e nenhum tipo de recursos naturais ex: óleo diesel, gasolina, gás natural, álcool, bio combustível, recursos hídricos (água), nuclear, ventos (eólica), sol e etc. Com geração de energia elétrica ilimitado.
Á MÁQUINA PRODUZ A SUA PRÓPRIA ENERGIA É UM REALIDADE! É versátil e com grande mobilidade, facilitando a sua instalação próximo a cada cidade.
IMAGINE OS CARROS USANDO A ENERGIA LIMPA ANDRAKS, TAMBÉM OS NAVIOS, AS INDÚSTRIAS, AS CIDADES E O MUNDO, O QUANTO BOM SERÁ PARA O PLANETA!


Assista o protótipo da máquina funcionando:
www.energialimpaandraks.com.br neste site você pode pesquisar no INPI.
http://www.youtube.com/watch?v=SLmdX2z_36w

Por: Gil Matos - www.psul.com.br - O portal da nossa cidade! Procure em notícias.
ou acesse o google, youtube e procure por "andraks".

(OBS: está máquina é uma realidade, não se trata aqui de uma tentativa, pesquisa, procura, melhoria e etc. para geração de energia limpa auto-suficiente!). hoje só fornece energia para uma simples lâmpada, como mostra no vídeo, mas no futuro fornecera energia limpa para sua casa e seu País e o mundo sem agredir o meio ambiente.

“Se precisar construir uma Usina Andraks com capacidade para abastecer Brasília, preciso apenas do investimento”