RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

sexta-feira, 5 de junho de 2009

POLÍCIA MILITAR: NOVOS RUMOS?

Jacareacanga - Dezessete anos ininterrupto de serviço militar, com destacado serviço como policial combatente; o 2º SGT/PM Adailson Brito Alves, tem novo desafio em sua vida de policial competente e compenetrado com o oficio de um bom Policial Militar: comandar a promoção da segurança pública em Jacareacanga, cidade essa que torna-se diferente de outros núcleos humanos muito em face, de ter uma população constituída de duas etnias distintas: Brancos e índios, e tentar nessa promoção da segurança pública compreender para trabalhar melhor principalmente a especificidade do Grupo Tribal Munduruku, que tem contato intermitente nesta cidade à procura de produtos industrializados, e até em busca de lazer e entretenimento fora de sua identidade cultural. Evidentemente nessa necessidade de contato com a população envolvente, muitos indígenas absorvem maus costumes, fazendo uso excessivo de bebidas, concorrendo para se exporem perante a opinião publica de forma inferior. Mesmo tendo uma Legislação Específica de amparo, a segurança pública tem que ser feita e para isso qualquer pessoa independente de ser índio ou não, estarão sempre sob os rigores da lei.

NOVOS RUMOS

O Sargento Adailson, veio com um propósito de quebrar um paradigma ultrapassado e que muitas vezes no interior do Pará ainda corrói como um câncer ainda escondido e muito agressivo, que são os atos e posturas de uma policia despreparada, que corrompe e é corrompida na execução de seus trabalhos. É fácil pressupor que o povo do município de Jacareacanga, onde as instituições que solidificam o Estado Democrático de Direito estão em franco desenvolvimento de suas ações constitucionais, não retrocederão na história para aceitarem maus exemplos de quem caberia verdadeiramente ser um referencial de trabalho e moralidade. Parte daí a grande responsabilidade do novo comandante do Destacamento Policial, dar ânimo, desenvoltura, e escolher bem seus comandados, se quiser continuar tendo o respeito daqueles que o admiram. Ao aceitar dar novos rumos no relacionamento Policia/População, viu-se o militar obrigado a solicitar de seu comandante em Itaituba a substituição de algumas peças, para impor sua metodologia de trabalho.

DESAFIOS

Conter com rigor a delinqüência na região bem como o tráfico de entorpecentes, já que a sede do município é rota ou passagem de narcótico para as áreas garimpeiras e região de Itaituba é um dos desafios do comandante, que para tanto levará a efeito, blitz ou barreiras, e ainda um serviço de inteligência mesmo com a diminuta estrutura com que conta. Acrescentou que está recebendo apoio decidido da Prefeitura na adaptação e edificação da nova estrutura administrativa da delegacia e xadrez, com Gabinete de serviço da autoridade de plantão, devidamente informatizado e conectado à Rede Mundial de Computadores e as celas com adequação para abrigar dez detentos de correição com acomodação estrutural para colocar colchões, além de banheiros, contando ainda com amplo espaço para banho de sol.

Falando à reportagem do Rastilho de Pólvora, o 2º Sargento mostrando intenso interesse em fazer a diferença dentre a ação policial, de destacamentos anteriores disse:

SGT Adailson Tive a necessidade de mudar 90% do quadro de militares, pois quando cheguei nesta cidade me deparei com uma situação inusitada já que havia dois comandos no destacamento, tudo em função da falta de hierarquização do trabalho, pois havia dois graduados e os dois se confundiam quem estava no comando, e aí os serviços essenciais de promoção da segurança sofriam descontinuidade.

RP – Qual a primeira providência para essa promoção que será adotada por seu comando?

SGT Adailson – Em uma rápida saída, para contatar com pessoas, entidades, notei que havia um desordenamento na vida noturna na cidade, com enorme vandalismo provocado em conseqüência do funcionamento sem controle de bares e similares alem de lupanares. Após esse levantamento, minha equipe de trabalho convocou os proprietários desses estabelecimentos e normatizou alguns procedimentos, como horários e dias de funcionamento, e nossa equipe está fazendo cumprir uma determinação judicial que proíbe terminantemente a venda de bebidas em garrafas na Praça, devido, alguns usuários de bebidas em alto estado de embriaguês se confrontarem com outros desocupados e travarem uma guerra, com garrafas servindo de munição, o que concorria para muitos desses se ferirem e até lesionarem quem não estava em confusão. Creio que a Praça Municipal é um ponto de encontro da sociedade em geral e não para baderneiros, daí nossa enérgica ação de prevenir confusões no local e até depredações do patrimônio público, coisa que estava existindo.

RP - É fato que menores e adolescentes perambulam sem serem incomodados pelas vias públicas e o Conselho Tutelar muitas vezes ressente-se da falta de apoio da policia...

SGT AdailsonCom absoluta convicção esse também é um grande desafio que terei, e o relacionamento do meu comando com o Conselho Tutelar, inibirá essa situação, pois já é de meu conhecimento que nos bares e boites esses menores transitam sem restrição, bebendo e até com suspeita de estarem consumindo drogas e nosso trabalho é acabar com essa situação, responsabilizando proprietários de ambientes noturnos e até pais e responsáveis de acordo com o que dispõe o Estatuto da criança e adolescente. Em rondas executadas em altas horas da noite constatamos um número considerável de menores e entre esses, indígenas, portando armas brancas; está sendo comum abordarmos adolescentes com facas; alguém será responsabilizados por esses ilícitos, principalmente quando se tratar de menores.

RP – É sabido que a presença do policial militar dentro de ambientes, bares, boates, concorre para muitas vezes a cidade ficar desprotegida. Não seria mais interessante esse policial ao invés de estar nesses locais, desempenhar o policiamento ostensivo que verdadeiramente protege mais a população...

SGT Adailson – Concordo perfeitamente com sua afirmação, pois quem está vendendo o produto da festa é o proprietário então esse deve ser responsabilizado pela segurança no local. O Policial tem uma responsabilidade mais abrangente. Deve estar presente, ostensivamente para inibir vandalismo, delinqüência e não estar à serviço de lucros de terceiros. Muitas vezes enquanto o policial está patrulhando festas, comercio, as praças os logradouros públicos estão desprotegidos. Um exemplo são as vias públicas com transito de menores no volante de carros e motos colocando em risco de morte o transeunte, e nesse sentido seremos incisivos, em aprender todo veiculo suspeito, e conduzido para responder por seus atos menores e pessoas que estejam colocando em risco vidas de pessoas, e não somente isso, motos e carros com adulteração de acessórios que causem poluição sonora serão apreendidos. Não somos autoridades de trânsito, somos autoridades promotoras da segurança pública e evidentemente não autuaremos o condutor por falta de habilitação ou transitar na contramão de direção, mas responsabilizaremos na forma da lei àquele que concorrer para contrariar as normas destinadas a um princípio que estamos através de nosso trabalho defendendo: A Segurança Pública.

RP – Sargento suas declarações não seriam somente falácia? Muitos outros comandantes de destacamentos vieram com o mim cesmo discurso...

SGT Adailson – vim com a intenção de fazer a diferença, e daí tenho a confiança de meus superiores, do Poder Executivo e Legislativo desta cidade, e estou estreitando relacionamento com o Poder Judiciário, estarei entrando em contato com a Ouvidoria do Ministério Público desta comarca, para colocar nossos préstimos e propósito, alem do mais estou fazendo constantes contatos com entidades de classes, bairros, escolas, pra termos uma verdadeira interação com a sociedade visando como falei antes, fazer a diferença, instituindo o que o Comando Geral da Policia Militar do Pará, exige, o funcionamento da Policia Comunitária. Só para citar um exemplo nosso trabalho já está surtindo efeito, pois estou pouco mais de quinze dias na cidade, e salvo pequenas alterações causadas por ingestão de bebidas tudo se mostra tranqüilo. Com o desordenamento da vida noturna da cidade em bares e similares que havia, todo logradouro público e seus entornos, eram alvos preferenciais de depredação e acomodação de desocupados.

RP – Com quantos homens o destacamento conta para fazer esse trabalho?

SGT Adailson – Nosso quadro está aquém das necessidades existenciais, é um efetivo diminuto composto por sete policiais do quadro de combatentes entre eles Sargentos, cabos e Soldado, sendo três Sargentos, dois cabos e um soldado; trabalharemos em regime integral para que possamos desenvolver nosso trabalho com eficácia.

Nenhum comentário: