RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

quinta-feira, 30 de abril de 2009

ÍNDIOS FAZEM REFÉNS

FISCAIS DO IBAMA E POLICIAL MILITAR SÃO REFÉNS DOS TEMBÉ
Quarta-Feira, 29/04/2009, 10:32h

Dois funcionários do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), juntamente com um policial militar do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA), foram feitos reféns por índios da etnia Tembé, ontem. Os três ficaram presos numa aldeia indígena por quase quatro horas no município de Tomé-Açu.

O agente ambiental Alessandro Queiroz, coordenador da operação da qual os reféns faziam parte, contou que o grupo de seis pessoas, quatro agentes e dois policiais militares do BPA, seguia em duas picapes para uma fiscalização de plano de manejo, quando foram abordados pelos índios no momento em que passavam pelo ramal que corta a aldeia, no município de Tomé- Açu. “Eles vieram pra cima de nós com flechas e pedaços de pau”, contou Alessandro.

A equipe do DIÁRIO acompanhou com exclusividade a espera dos agentes pela libertação dos seus colegas de trabalho, no meio do ramal que leva do centro de Tomé- Açu à aldeia. Depois de algumas horas de espera, o agente Alessandro recebeu o telefonema de Denis Cristian, um dos agentes feitos reféns, dizendo que eles já estavam saindo da aldeia. O clima de alívio tomou conta da equipe do Ibama.

Projetos do Pronasci Encerra amanhã o prazo para envio de projetos ao Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), com sede em Brasília, destinados à captação de recursos a serem aplicados em ações nas áreas de segurança e cidadania. Abalados, os agentes Denis, João Batista e o cabo Roberto não quiseram falar com a imprensa, mas passavam bem e não apresentavam qualquer sinal de violência.

NEGOCIAÇÃO
O procurador da República no Pará, Felício Pontes, que intermediou a negociação com um dos caciques da aldeia para que os reféns fossem libertados, contou à reportagem que a negociação foi pacífica e durou cerca de uma hora. Pontes disse que os índios ainda impediram o acesso de funcionários a uma das empresas da Vale, a Pará PigmentosS.A.


Na próxima semana ocorrerá em Belém uma reunião na Procuradoria Geral da República, com representantes da Funai (Fundação Nacional do Índio), Ministério Público Federal e os índios. Nesta reunião iremos avaliar as necessidades de cada um dos envolvidos. A Vale também será chamada para prestar esclarecimentos, disse o procurador.

A assessoria de imprensa da Pigmentos S.A. informou que a empresa já tem conhecimento sobre a situação e está estudando o caso apresentado pelos indígenas.

Fonte: (Diário do Pará)

Post Thiago Tertulino

Nenhum comentário: