RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

terça-feira, 31 de março de 2009

XX-ASSEMBLÉIA GERAL REÚNE CAÇADORES DE CABEÇA

MUNDURUKU REUNIDOS FAZEM XX - ASSEMBLEIA GERAL DO POVO INDIGENACor do texto
Missão Cururu/Jacareacanga
- Sob a coordenação da Associação Pususu a nação Munduruku se reuniu em assembléia, no período de 24 a 29/03/09, para discutir assuntos atinentes ao Grupo Indígena Munduruku, conhecidos como Caçadores de Cabeça, desde tempos imemoriais, devido em tempos remotos, caçarem cabeças de inimigos para a exibirem como troféus.

Como Presidente da Associação o indígena José Emiliano Kirixi Munduruku, conhecido como Camaleão, além de coordenar os trabalhos foi reeleito para novo mandato à frente da associação, pelo bom trabalho desenvolvido.
Apesar de muitos convidados terem participado do encontro, pessoas de instituições de apoio a causa indigena, esses tiverem pouco tempo para se manifestar já que a organização da assembléia promoveu mais a participação dos índios no encontro ao contrario de vezes anteriores que os não índios praticamente conduziam os assuntos em discussão. Além da Presença do Prefeito de Jacareacanga Raulien Queiróz, representantes da Funai Brasilia, Funai Itaituba, Funasa, Ministério Público, se fizeram presentes no aludido encontro. Ao encerramento do encontro os indígenas fizeram as seguintes propostas às instituições de apoio ao índio.

FUNAI EM JACAREACANGA
Todas as reportagens dos indígenas que versaram sobre a Funai de Itaituba deram conta da importância da funcionalidade daquela administração ser trazida para a sede do município de Jacareacanga, e que todos os servidores sejam substituídos por indígenas que já se encontram capacitados para assumirem as funções no órgão indigenista, concluiram que devem ser substituídos desde o Administrador Regional até os Chefes dos Postos Indígenas. Acrescentaram que com a Funai em Jacareacanga um posto do INSS devera ser instalado na cidade e isso contribuiria sobremaneira para evitar transtornos de uma viagem a Itaituba, e ainda a assistência do Orgão Indigenista mse encontrar mais próximo dos seus assistidos. Com relação ao funcionamento da Funai, o Capitão da Aldeia Taperebá disse que em tempos passado a Funai era uma instituição forte, hoje encontra-se sem rumo, ao que uma jovem indígena da Aldeia Caroçal do Rio das Tropas ao se manifestar acrescentou, - que devemos fortalecer os homens juntar nossas forças e ressuscitar a Funai.

EDUCAÇÃO INDIGENA
Foram feitas as seguintes propostas para fortalecer a educação indígena, entre outras:
– Prefeitura em parceria com governo do Estado, garantir meios de transporte para o deslocamento de professores indígenas e não indígenas de aldeias.
– Garantir que nas escolas os professores sejam indígenas, principalmente para língua materna e também para as outras disciplinas do ensino fundamental.
– Realizar acompanhamento técnico pedagógico nas escolas indígenas.
– Reconhecer Escolas Indígenas nas aldeias (pólos).
– Garantir o ensino bilíngüe nas aldeias.
– fazer o reconhecimento da língua Munduruku como 2ª. Língua oficial do município de Jacareacanga e primeira língua oficial nas escolas indígenas.
– Criar equipe pedagógica municipal de Jacareacanga para poder orientar os professores indígenas duas vezes por ano.
– Criar a escola básica de ensino médio e profissional em três pólos – Sai Cinza, Missão Cururu e Kato, porque 136 alunos da escola Karo Benpu já concluíram o ensino fundamental e estão parados. Implantar a modalidade de Proeja profissional indígena.
– Criar coordenação de educação indígena no município de Jacareacanga – Pará.
– Criar assessoria de Educação indígena Munduruku na FUNAI e na 12ª URE de Itaituba – Pará.

FISCALIZAÇÃO E PROTEÇÃO DAS TERRAS INDIGENAS MUNDURUKU E SAI CINZA
– Executar fiscalização em Terra Indigena de dois em dois meses.
– Instalação de radio comunicação urgente nas Aldeias Pista Velha, Waretodi,e Parawaduk’ti.
– Avivamento de placas e marcos de fiscalização.
-Criação de três novos Postos Indigenas nas Aldeias Santa Maria Karapanatuba e Restinga.
–Trabalhos em defesa da demarcação da terra Kayabi
– Garantia de dotação orçamentária à Associação Pusuru para custeio de recuperação de motores e equipamentos.

ETNODESENVOLVIMENTO
– Apoio decidido da Funai e Prefeitura na produção agroextrativista .
- Construção de Casas de Torrar Farinha em diversas aldeias para consumo e praticar comercialização com excedente.
–Capacitar indígenas para a fabricação de farinha de melhor qualidade para consumo e comercialização.
-Criar sob a responsabilidade da Prefeitura com a Funai um local de apoio para o recebimento e comercialização da produção indígena bem como a criação de uma rede de comércio na área, para recuperar a autonomia das comunidades.
- Modernizar a industrialização de farinhas com pequenos motores de 6,5 HP
-Parceria entre a Funai, Emater e Prefeitura para acompanhamento da atividade agrícola em Terra Indigena.
-Construção de uma Casa de Apoio em Jacareacanga para indígenas em trânsito

SAÚDE
Totalmente sucateada a estrutura para promoção de saúde por toda a extensão das Terras Indígenas município. Há a necessidade de se recompor todo o aparato de investimento em saúde para a população sob pena de um colapso total.
REIVINDICAÇÕES
-Construção do Posto de Saúde estruturado para os pólos bases e nas aldeias pequenas
-Criação de um posto de saúde na aldeia Biriba ou aldeia Porto.
-Implantar um telefone público nas aldeias necessitadas.
-Construção de poço artesiano nas aldeias Muiçuzão, Fazendinha Boa Vista e Bananal Cururu (FUNASA ou Prefeitura)
-Contratação de agente de saúde nas aldeias que necessitam
- Compra e manutenção dos equipamentos de comunicação da saúde (bateria, rádio etc)
-Capacitar os AIS para fazer o curso de Microscopista para atuar nas áreas indígenas
-Aumento da cota de combustível para suprir as necessidades nos pólos e nas aldeias jurisdicionadas.
-Aumentar recurso da FUNASA para atender os povos indígenas munduruku
-Solicitar motor 15 HP com voadeira 12m e grupo gerador 18 NSB nas aldeias necessitadas.
-Aumento de medicação para os postos de saúde.
-Contratação de microscopistas nas aldeias que precisam.
-Realizar curso de indigenismo para técnico de enfermagem que trabalham na área indígena.

Ocorreu na questão saúde, exigências mais veementes contra um funcionário da Funasa devido a situação caótica na promoção de saúde em Terra Indígena, sem contudo, os índios tirarem o foco dos assuntos tratados na assembléia que sempre foram desenvolvidos de forma ordeira.

CULTURA INDIGENA
-Captação de recursos para fortalecer a cultura do povo indígena em sua totalidade.
-Revitalizar tradição cultural indígena através do Ministério e Secretarias de Cultura do Estado e município.
– Garantir meios de produção cultural elaborado pelos próprios indígenas como: Livros didáticos, DVD, CD’s e outras formas de produção cultural, garantindo o retorno integral dos recursos para as próprias comunidades.
- Incentivar o estudo na confecção de artesanato indígena para finalidades comerciais
O Prefeito Municipal Raulien Queiróz atendendo solicitação da coordenação da assembléia estendeu sua permanência na Missão Cururu, até o dia seguinte, para estreitar mais os laços interinstitucionais, entre a Prefeitura e a Associação indígena já que esses laços nunca foram bons com os gestores municipais anteriores. É sabido que grande parte dos indios que formam as asscoiações de apoio especificamente aos Munduruku, apostavam no êxito de Raulien em concorrer no pleito eleitoral, e na certeza de novos rumos em defesa do Povo Indigena em particular.
Fonte: Marcelo Chefe do Pin/Kab

Um comentário:

Anônimo disse...

Sou sertanista da Funai e hoje encontro-me no banco de reserva do quadro daFunai, mas sempre estou sendo consultado; trabalhei com diversas etnias principalmenten na amazonia, é sobretudo imprudente disso tenho amplo conhecimento do Orgão Indigenista ter suas administrações administradas pelos proprios indios. Essa situação nunca deu certo no Brasil. Duas ou tres das mais de cinquenta administrações da Funai no Brasil são administradas por indios, e são essas que dão mais trabalho para as auditorias, ja que na cultura do povo indigena, independente de Etnia a responsabilidade de propreidade do indio é diferente além de acontecer pela ordem natural das coisas o indio administrar com ações mais direcionadas ao seu clã. Dizer que o indio está preparado para assumir a gerenciamento de uma instituição do serviço público seria mesmo que dizer que um não indio estaria preparado para ser pajé. Vamos encarar a questão indigena com seriedade.
O Megaron Txucarramãe trabalha ou trabalhou dirigindo a Funai de Colider, para conter os animos do pessoal do Raoni que tinha enormes problemas com invasores, e a Funai do Megaron sempre tem problemas, não pelo Mega, e sim por seus assessores que tambem são indios