RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

quarta-feira, 25 de março de 2009

VEDETISMO DE SUBDESENVOLVIDO - A QUEDA DO IMPÉRIO DA ARROGÂNCIA

O REVANCHISTA, O VAIDOSO O ADJUNTO, ESTIVERAM JUNTOS!
CONDENADO
Edilson Dias Botelho, foi condenado a recolher aos cofres públicos cifra que atinge quase um milhão de reais, devido a má gestão no gerenciamento da dotação de recursos proveniente do Fundef, quando foi prefeito em Itaituba. De onde Botelho garimpará essa grana para devolver (?) é que são elas, já que se encerrou com o ocaso da vida política de Almir Gabriel a carreira de Botelho no rincão do Tapajós e favorecimentos políticos que Almiristas poderiam fazer para equacionar os problemas de Botelho ficam só nos anseios e sonhos do ex-prefeito, que assusta-se sempre é com pesadelos.

OZEMIAS/ CARMONA/ NASCIMENTO
É fato que Botelho em sua época de Prefeito de Itaituba fez um grande trabalho em prol da Educação com a utilização como Secretário de Educação, de um personagem controverso, importado da Capital do Estado, Professor Ozemias, que se expôs em modernizar com eficiência a educação no município, ao mesmo tempo em que, provocou inúmeras situações tragicômicas, por permear em seu trabalho de secretário ações de politicagens pró-Botelho, e ainda em seus momentos de lazer, descontrair-se em demasia provocando escândalos motivado por bebedeiras. De importado, também veio a tiracolo o cunhado de Botelho, CarmonaO Vaidoso”, que se exaltava, intitulando-se Cientista Político e constituiu-se em conselheiro que também ajudou a ruir de vez o Castelo de Sonhos de Botelho. Alem desses, outros importados, assistiram de perto a queda ou fracasso do “Capo”, como NascimentoO Adjunto” que mesmo tendo uma conduta de vida ilibada e incontestável, os salpicos da administração “enlameada” de Botelho podem lhe causar grandes transtornos e danos, mesmo decorrido muito tempo. A lei tarda, mas não falha! - diriam as viúvas de Botelho que formam o quadro de servidores principalmente da educação que ficaram sem receber os últimos salários a que tinham direito.
Voltando ao ex-prefeito, a batata dele assou e queimou de vez. Há muito tempo o MPF vinha ensaiando o oferecimento da denúncia à Justiça Federal e ao que parece, de acordo com informações difundidas pela imprensa, o MPF se manifestou e a Justiça Federal deu o veredicto: Penalizou Botelho.
EXIBICIONISTA, REVANCHISTA E RANCOROSO
Na época de sua gestão Edilson Botelho perdeu a humildade que lhe era peculiar antes de assumir o Poder Executivo, deixando de lado antigos aliados, amigos e muitas famílias que pertenciam ao seu vasto circulo de amizade, e colocou-se em uma redoma como se o cargo de prefeito fosse algo que lhe tornasse inatingível. Foi muito criticado por seu senso exibicionista, e entrou na história política do município, como um homem extremamente revanchista, rancoroso e vingativo além de perseguidor de quem ousasse opor-se ao seu sistema de governar o município, que lhe valeram com essa mudança de caráter, seguidas derrotas em novas corridas políticas que tentou encetar em Itaituba e ao que parece perdeu o prumo de vez ou o bonde da história política.

PUXÃO DE ORELHA – INICIO DA DERROCADA
Botelho já acumulava enorme rejeição da população, quando em certa ocasião com a presença do então Governador Almir Gabriel, em um comício de expressão estadual, após ser duramente apupado quando discursava e para comprovar ser destemperado e desequilibrado, revidou através de duras palavras à multidão, ocasião em que seu padrinho político Almir Gabriel, tomou-lhe o microfone e de público o constrangeu com rispidez obrigando Botelho a diminuir o ímpeto e colocar os pés no chão em meio a vaias ainda maiores da multidão.
NARCISISTA / VEDESTISMO DE SUBDESENVOLVIDO
Botelho oriundo de uma família simples, venceu na vida graças a vontade de fazer a diferença entre seus familiares, cujos poucos ou nenhum outro tivera o empenho de chegar ao nível universitário do parente médico, e depois de formado, já em Itaituba enveredou pela política; antes porém fez como aspirante a oficial curto serviço militar onde aprendendo mal o que dispunha no RDE começou a comportar-se sempre de forma radical querendo ser o “SOL” de todo universo; era um pobre com pretensão de exibir-se como um novo rico. Guardada as devidas proporções, tal qual Collor de Mello que levantou a bandeira contra os Marajás e foi Presidente da República, Botelho precisava de motivos para tornar-se mais conhecido perante a municipalidade de Itaituba e arrumou briga feia, ajudado por Ademir Andrade contra o ícone da política na região, Wirland Freire e disso soube tirar proveitos. De bom e grande profissional médico, Botelho ambicionou a carreira política, e foi na política que moldou uma nova faceta de seu caráter de homem probo e honesto; o exibicionismo: -Botelho para se dirigir à Prefeitura para trabalhar, precisava de enorme aparato de segurança, pois dizia-se ameaçado, e era necessário um comboio de seguranças, composto muitas vezes por seis a dez viaturas; para percorrer as ruas da cidade por simples exibicionismo; já imaginou se fosse prefeito de Jerusalém ou Bagdá?

A importância do cargo que ocupava estimulava-o a exercer o exibicionismo, somado ao narcisismo que adquirira por estar sempre alvo da atenção dos munícipes, autoridades e dos inseparáveis bajuladores; e sobre ser narcisista, realmente era fora de propósito que se sentisse assim, já que a beleza não era seu forte, até entre familiares tinha um apelido que denotava isso: Era chamado de Paturi (Raça de marreco ou pato) por se assemelhar segundo Zeca, um de seus irmãos, com tal ave. -Você já viu alguém parecido com um pato ser bonito? coisa de vedetismo de subdesenvolvido mesmo.

O tempo passa, e a história de Botelho como político, causa irritação em alguns, graça em outros e ainda indignação em muitos, e sua vida política quando for contada para gerações futuras, se isso acontecer, irá ainda causar susto ou inquietação e até fazer parte de anedotários. Perdeu sempre a oportunidade, de ser reconhecido como um notável ser humano, por puro capricho; perdeu portanto a oportunidade de ter sua história contada de forma diferente.
Talvez se tiver o bom senso de repensar sua vida, e com as frustrações que acumulou construindo sua biografia política, não pense nunca mais voltar a enveredar pela política partidária, devendo preferir o estetoscópio para auscultar um paciente que suas “oiças” para “assuntar” os conselhos de Carmona, seu cientista político; “O Vaidoso
-Que coisa hein Paturí!? – Patinho feio só vira um belo cisne nas fábulas infantis, e nem todas as crianças acreditam.

Nenhum comentário: