RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

domingo, 6 de julho de 2008

PAI... AFASTA DE MIM ESSE CÁLICE!

BOTELHO, SEM ASA SEM NINHO, SEM RUMO SEM PRUMO.

O ex-prefeito Edílson Botelho desfilou garboso inicialmente na cidade, no período que antecederam às convenções, esperando que sua presença política fosse notada e convidado a compor suporte político para alguém, e de tanto esperar e não receber sinais, teve que descer de seu pedestal de importância para choramingar o desprezo sentido na pele quando ninguém o queria em suas composições. Queixou-se para Anivaldo Vale, que lhe garantiu que sairia a vice de Roselito; entretanto a pressão dos aliados de Roselito tanto fez que Botelho ficou novamente de passe livre.

Interessante que Botelho era imprescindível à campanha dos três candidatos de uma forma inusitada. Tente entender: Valmir com sorriso maroto precisava de Botelho junto a seus adversários, Roselito e Afabio, e esses queriam se livrar do fardo incômodo e sonhavam também que seus adversários absorvessem a figura. No fundo todos queriam que Botelho fosse cantar noutra freguesia; todos estavam correndo à léguas dele, como o Diabo corre da cruz.

E o porquê de tudo isso? -Na verdade Edílson Botelho quando foi prefeito, deu um dinamismo e investiu muito em educação, porém cada escola edificada, cada carteira escolar construída, cada caixa de giz comprada, Botelho, vaidoso, centralizador, com aura de militar do exército de Uganda (Idi Amim Dada) pisava forte sobre o principal ator para que a promoção educacional fosse desenvolvida: O professor, que quando contestava/reclamava principalmente dos atrazos de salários, era perseguido, humilhado com transferências, remoções, e sempre alvo de um acompanhamento de perto da Gestapo de Botelho (Carmona, Nascimento, Chapiama, Chicão e outros Generais do ditador) além do clima hostil que fazia reinar entre os servidores municipal e principalmente da Educação devido as perseguições gratuitas, e ainda os injustificados atrasos em salários, comprometeu definitivamente a sua imagem, já combatida, com a malversação de recursos do Fundeff que ocasionou a ira dos educadores, e tempos depois coube-lhe um processo na Justiça Federal

É fato que Botelho com a sua fama arrogante de relacionar-se com as pessoas, com a sua história de homem público contestado, tem mais a prejudicar de que somar numa campanha em palanque, e é por isso que hoje é um vinho ácido que está no cálice e ninguém ousa degustar.

Nenhum comentário: