RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

terça-feira, 13 de maio de 2008

ARROZ - GÊNERO DE PRIMEIRA NECESSIDADE ESTÁ SUMINDO DOS SUPERMERCADOS



Produção de arroz cai 75% e escasseia nos supermercados
O Liberal


De centros exportadores de arroz, os municípios de Santarém e Belterra, no oeste paraense podem ter de importar o produto. A avaliação é feita pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Santarém (Sirsan). Segundo o sindicato, o plantio de arroz diminuiu cerca de 75% em comparação aos anos de 2004 e 2005, os mais promissores para os produtores da região. A perspectiva para a safra deste ano não é das boas e não há estoques para suprir a falta. São vários aspectos que provocam a falta de arroz na cidade de Santarém. Algumas áreas para plantio estão interditadas. Os produtores não podem mais abrir áreas para plantação do alimento e muitos não possuíram capital para plantar, fazendo uso da tecnologia, explica Adinor Batista, presidente do Sirsan. A intensificação do preservacionismo amazônico também contribui para frear o plantio de arroz. Outro fator é o caso do município não possuir política agrícola. Não receber incentivo do governo para plantar. Existe também a pressão dos ambientalistas que são contra o avanço das culturas agrícolas dentro da Amazônia e pressionam o governo. Essas pessoas bloqueiam o desenvolvimento regional ao barrar o plantio de arroz, pois devem achar que não haverá conseqüências futuras. Mas a conseqüência chegou à mesa do santareno carente que tem ficado sem arroz.
Autoridades inertes
As autoridades competentes não estão levando a sério a situação atual, reclama Batista. Adinor informou ainda que anteriormente a classe sindical e produtora, junto com a classe empresarial, mostraram que haveria queda de produção do alimento. Portanto, as autoridades devem chamar para si essa responsabilidade, ajudando a traçar um plano de desenvolvimento sustentável e agrícola para a nossa região.
Consumidor paga caro
O produto começou a aumentar devido a lei da oferta e procura. Quando a procura pelo produto for ainda maior, o consumidor será prejudicado com os preços altos. O presidente disse ainda que Santarém possui competências produtivas para produzir arroz em suas áreas. Isso já o tornou um dos maiores exportadores do Pará. Santarém possui muitas áreas abertas ao longo dos anos que possam ser aproveitadas para gerar empregos. Por isso, o sindicato tem cobrado das autoridades competentes algumas ações que devem intensificar a produção esperando que o governo trace um plano de desenvolvimento sustentável para a região, onde o produtor possa produzir, ao mesmo tempo, preservar suas áreas. Dessa forma, o trabalhador fará com que não volte a faltar o alimento na mesa do consumidor que ficará satisfeito por ter o produto disponível e com preço acessível, argumenta.
Reunião com a Embrapa
O Sirsan convidará a Embrapa para uma reunião que deverá definir um tipo de arroz adaptável ao clima da região. O sindicato também convidará instituições bancárias e pedirá ajuda financeira para traçar uma variedade de arroz que possa ter maior produção no município. A produção de arroz precisa de tecnologia, principalmente a mecanizada. O produtor deve fazer sua plantação com tecnologia avançada. É proibido desmatar, portanto devemos nos dispor das áreas abertas, aproveitando para produzir o máximo de produtos possíveis com tecnologia e desenvolvimento, ressaltou Batista.

Comércio
Os supermercados regionais estão em falta de arroz em seus estoques. Alguns trataram de estocar o produto. Devido à lei da oferta e da procura, os preços tendem a aumentar e os consumidores estão preocupados com a alta dos preços e resolveram 'pechinchar' o alimento.

Nenhum comentário: