RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

terça-feira, 29 de abril de 2008

TAMBORES REÚNEM ETNIAS E CULTURAS

Gambá de Aveiro
Começa hoje, no Instituto de Artes do Pará (IAP), a oficina de dança e música Gambá de Aveiro, para mostrar ao público esse estilo de dança tão pouco conhecido e que foi concebido na Comunidade de Pinhel, às Margens do Rio Tapajós, no Oeste do Estado, pelas misturas de influências de ritmos, etnias e culturas. Dois representantes da localidade vêm a Belém especialmente para ensinar como cantar, tocar e dançar as músicas: Marilza Santiago, uma das dançarinas do Gambá, vai ensinar a arte dessa dança, enquanto o mestre-cantor Tiago Deodato ficará responsável por transmitir conhecimentos a respeito das músicas, do canto e dos toques de caixa e de gambá, tambores utilizados na manifestação. A programação faz parte da II Semana dos Povos Indígenas, que termina no dia 30 de abril. A oficina será realizada de hoje ao dia 30 de abril, das 15h às 18h, numa parceria entre o IAP e a Fundação Curro Velho, que conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Aveiro, e também com o apoio da Comunidade de Pinhel.
No dia 30, o frei Florêncio Almeida Vaz, professor da Universidade Federal do Pará (UFPA) em Santarém e doutorando em Antropologia na Universidade Federal da Bahia (UFBA), ministra, no auditório do IAP, às 19h, uma palestra sobre o tema Gambá de Pinhel: Resistência, Reinvenção e Identidade Cultural no Rio Tapajós. A programação se encerra com uma grande celebração comandada pelos filhos de Pinhel, em uma roda de dança na qual todos poderão cantar e dançar as músicas do Gambá. Também será servido o tarubá, bebida indígena que está presente em todas as fases da manifestação.
A MÚSICA
A música do Gambá é apresentada por um conjunto, integrado por três gambareiros, um mestre-cantor, que também toca caixa com baquetas, dois tocadores de reque (ou reco-reco) e um de caracachá. O Gambá, que dá nome à manifestação, é um grande tambor feito de cuiarana, madeira ocada, fechado em uma das extremidades por um couro de boi.

Nenhum comentário: