quarta-feira, 3 de junho de 2020

ASSASSINARAM O PORTUGUÊS

-QUE CULTURA!!!
Web Nota 10: O melhor da web: Placas erradas - Parte 1

Filho envia foto para mãe antes de morrer em acidente de avião

DESPEDIDA
 quarta-feira, 03/06/2020, 20:20 - Atualizado em 03/06/2020, 20:19 -  Autor: Fonte: CBC
Um americano mandou uma foto para a mãe minutos antes de morrer em um acidente aéreo na cidade de Illinois (EUA), no último domingo (31).
Daniel Shedd, 37, estava sentado ao lado do piloto, Joshua Sweers, quando pediu para todos sorrirem para enviar uma foto para sua mãe. Atrás deles, estavam os amigos Daniel Schlosser e John Camilleri.
Todos morreram no acidente, ocorrido logo após a decolagem do aeroporto de Creve Coeur, em Maryland Heights (Missouri, EUA), de acordo com reportagem da emissora KSDK.Charles Shedd, pai de Daniel, contou que o Piper Cherokee, avião de quatro assentos, estava em "excelentes condições" para voo e que havia sido aprovado em todas as inspeções de segurança.

Governo do Estado envia profissionais de saúde para aldeias indígenas

ATENDIMENTOS EMERGENCIAIS
 quarta-feira, 03/06/2020, 21:24 - Atualizado em 03/06/2020, 21:26 -  Autor: Alessandra Gonçalves/Diário do Pará
Uma equipe de profissionais de saúde composta por médicos e técnicos de enfermagem se deslocou nesta quarta-feira (3) para realizar atendimentos emergências nas aldeias indígenas Xikrin do Cateté e Djudjêkô, em Parauapebas, sudeste do Estado. Vários índios estão infectados com a Covid-19.
Os profissionais são do Corpo Militar de Saúde (CMS) da Polícia Militar e contaram com o apoio do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Estado (Graesp) para chegarem à localidade.
De acordo com Ubirajara Sompré, técnico de saúde indígena, somente no último final se semana oito indígenas morreram com covid-19 no Estado, sendo 3 na região de Itaituba, no sudoeste do estado; 2 em Bom Jesus do Tocantins e 3 em Parauapebas, no sudeste do estado. “O governador Helder Barbalho sensibilizado pelo avanço do Covid 19 nas Terras Indígenas do estado e em especial do Povo Xikrin e Gavião, entrou em contato direto para que junto com o Distrito Sanitário Especial Indígena e como articulador, fizéssemos a parceria com o estado no atendimento aos indígenas para o combate a este vírus que vem atingindo de forma brutal nosso povo”.
Aldeias indígenas Xikrin do Cateté e Djudjêkô, em Parauapebas
Para Ubirajara o reforço do Governo do Estado traz mais tranquilidade, pois os indígenas têm medo de saírem de suas aldeias para receberem atendimento médico fora e não mais retornarem. “E é por isso que nós pedimos ao Ministério Público Federal que faça um protocolo de retorno para as suas comunidades quando os indígenas morrem. Nós temos que entender que os indígenas têm as suas especificidades e cultura diferenciada dos não indígenas”.    

terça-feira, 2 de junho de 2020

A TRISTE PARTIDA DE MAIS UM GUERREIRO MUNDURUKU PARA KARUSACAEBU


Itaituba
- Anuncia-se hoje (02/06/2020) nesta cinzenta e triste manhã o falecimento de mais um indígena da etnia Munduruku, na capital do estado depois que foi removido em caráter de emergência  vitimado por essa terrível doença COVID-19 que está causando preocupação no seio tribal.

A vítima, trata-se de AMÂNCIO IKON MUNDURUKU, uma das principais lideranças indígenas do médio Tapajós, que vivia  na Aldeia Mangue no perímetro urbano desta cidade de Itaituba.

Amâncio era para a sociedade envolvente, uma das figuras mais atuantes em defesa dos direitos de seu povo, fazendo grandes conquistas na área de educação, saúde e regularização fundiária da área indígena denominada Mangue na qual habita seu povo.

Minhas condolências a todos os Munduruku e em particular aos irmãos do guerreiro falecido, Tiago, Marcos, Adelita, Francisco.

Faça sua ultima viagem, inesquecível amigo! Grato por todo respeito e apoio que voce estendeu a mim, em parte da trajetoria de minha vida!

segunda-feira, 1 de junho de 2020

COVID-19 VENCE O GRANDE CACIQUE VICENTE SAW MUNDURUKU



Jacareacanga – Com noticias de parentes,  residentes na Praia do Mangue aqui nesta cidade de Itaituba, vem a fatídica  informação  da morte do Cacique Vicente Saw Munduruku, nas primeiras horas desta noite que foi vencido pelos males provocados pelo Covid-19.

Vicente Saw Munduruku   um dos mais importantes líderes da etnia dos “Caçadores de Cabeça” morador da Aldeia Sai Cinza deixa para seus parentes um legado de luta e perseverança. Atuou decididamente nas lutas pela demarcação das Terras Sai Cinza e Munduruku. Era considerado um índio linha dura em defesa dos direitos indígenas e mesmo nas acomodações naturais da organização social de seu povo.  Vicente era genitor do Enfermeiro Celso Saw e Ziltomar que atuam na promoção da saúde indígena.

Nessa morte, se vai também uma pagina riquíssima da historia cultural do Povo Munduruku, já que o cacique Vicente era um dos anciões mais respeitados por seu povo e a população envolvente, Já que era um dos  guardiões de valores culturais de seu povo.

Mesmo que o tempo passe, o nome desse guerreiro, ira percorrer nas lonjuras dos tempos,   as savanas, rios, igarapés, lagos  dos Formigas  Vermelhas, Munduruku, Weidyenye, paiquize, maytapu, wuyjuyu, wuy jugu

Lamento a morte do Cacique Vicente, mas me sinto animado em poder dizer que vivi bem proximo dos Munduruku nos tempos de Vicente Saw.

domingo, 31 de maio de 2020

CAMBALACHO E FAVORECIMENTO NO PROCESSO SELETIVO PARA O HOSPITAL GERAL TAPAJÓS

ITAITUBA - Como não poderia deixar de ser, ja que é impregnado na politicagem rasteira e barata esses jogos de cena e oportunismo criminoso,  que em curto tempo produz  capital politico para as raposas astutas, o inconformismo de centenas de pessoas do município que não foram selecionadas e que concorreram  para avalanches de comentários de público evidentemente, mostrando que  os "selecionados" ja estavam aprovados antes mesmos de se colocar o processo para conhecimento popular, comentam que a patifaria e favorecimento correu solta; lembrando que todo o certame foi comandado pelo Instituto Panamericano de Gestão.

Para engrossar o caldo, eis que surge o Vereador Peninha, censurando também que o processo estaria viciado e com nítida intenção de favorecimento, com falta de lisura e transparência para beneficiar  apaniguados e grupos familiares. Orientou em seu desabafo, que teve conhecimento da lista e pode constatar que enfermeiras  sem a Carteira da Categoria/Coren que é a habilitação da profissional sequer receberam do  órgão competente, prossegue ainda o edil, que na ocasião em que o IPG divulgou os nomes dos selecionados, a bomba estourou diante dos concorrentes constando na relação  nomes de pessoas que entregaram currículos na ultima hora e fora do prazo, havendo o famoso entrada pela janela desprezando-se os critérios estabelecidos em lei, e que ocorreu um verdadeiro tira e cola de nomes da relação. por fim colocou que tem profissionais enfermeiros que se formaram, ha dois meses, sem pratica alguma profissional  que foram selecionadas enquanto pessoas com vasta experiencia ficaram de fora. Por fim disse que existiu preferencia por nomes até para Coordenadores ja que na lista inicial de selecionados apareceram os nomes de aprovados e na segunda esses foram excluídos e substituidos por outros.


Se existiu mesmo esse cambalacho sabe quem vai pagar caro por essa patifaria? O POVO, que com certeza será submetido a uma brigalhada do diabo devido  o processo  viciado provocar nas autoridades  judiciarias tomada de providencias e com certeza anularão o processo, para se fazer outro e o funcionamento do Hospital será protelado. BABACAS!!!

PROCESSO SELETIVO PARA O HOSPITAL REGIONAL TAPAJÓS - LISTA DE APROVADOS

1ª fase
Confira abaixo a lista de classificados e aprovados para segunda fase:
veja se seu nome está na lista

- NÍVEL SUPERIOR 
- NÍVEL MÉDIO E TÉCNICO

- NÍVEL FUNDAMENTAL


Força tarefa resgata duas bolivianas de condição análoga à escravidão

Trabalhadoras realizavam costuras para uma loja de varejo em bairro da capital paulista
porPublicado30/05/2020 09h02Última modificação30/05/2020 09h02
São Paulo/SP - Força tarefa contra o tráfico de pessoas, composta pela Polícia Federal, pelos auditores fiscais do Trabalho do Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, pelo Ministério Público Federal (MPF), pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), e pela Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo, atuou coordenadamente para o êxito da operação.
Duas irmãs bolivianas, de 22 e 19 anos, foram resgatadas em ação contra o trabalho análogo ao de escravo iniciada em 20 de maio em São Paulo (SP). Elas entraram de forma irregular no país e trabalhavam em uma oficina de costura que confeccionava peças de vestuário para uma loja de varejo localizada no bairro do Brás, na capital paulistana.
Com jornadas de trabalho, que começavam às 7h e se estendiam até 22h, e tendo recebido valores inferiores à metade de um salário mínimo durante dois meses, as trabalhadoras sofreram restrições à sua locomoção por terem entrado ilegalmente no país e também pela pandemia, argumentos usados para que permanecessem todo o tempo na própria oficina de costura.
Responsabilizada como empregadora, a loja de varejo efetuou os pagamentos das verbas rescisórias e indenizações devidas às trabalhadoras e, ainda, custeará o regresso das irmãs ao país de origem.
Tráfico de pessoas
A Polícia Federal instaurou inquérito policial. Os responsáveis responderão, na medida de suas culpabilidades, pelo crime previsto no Código Penal, no artigo 149-A, II, cujas pena de reclusão varia de 4  a 8 anos, e multa.
A apuração mostra que o dono da oficina de costura, localizada na zona leste da cidade de São Paulo, foi responsável pelo ingresso das irmãs no país. Acompanhadas por ele desde Cochabamba, na Bolívia, onde residiam e haviam sido contratadas, elas entraram no Brasil atravessando um riacho que divide os territórios.
Neste dia, a fronteira entre os dois países foi fechada por conta da pandemia do coronavírus (covid-19). Em Corumbá (MS), embarcaram em ônibus até a capital paulista, iniciando seu trabalho no mesmo dia em que chegaram. O dono da oficina foi preso em flagrante e depois liberado na audiência de custódia, respondendo ao processo em liberdade.
Resgatadas, as jovens migrantes se encontram acolhidas em local seguro. Embora tenham direito a solicitar residência permanente no Brasil, uma vez que foram submetidas ao trabalho escravo e ao tráfico de pessoas, conforme dispõe a Lei nº 13.445/2017 (Lei de Migração), as trabalhadoras aguardam somente a finalização dos trâmites burocráticos necessários para seu retorno à Bolívia.

Comunicação Social da Polícia Federal em São Paulo

Contato: (11) 3538-5013 

cs.srsp@dpf.gov.br